terça-feira, 17 de novembro de 2015

Projeto de redução de subsídios segue na Câmara e autor da proposta recebe apoio de outros dois parlamentares

Manoelito da Silva Gomes fez apelo público para aprovação da matéria 

Marcel Rofeal, da Redação 

Fotos: Arquivo/BMR
O vereador Manoelito da Silva Gomes (DEM) clamou aos demais parlamentares em sessão na noite desta segunda-feira (16) que apoiem o projeto de sua autoria que prevê a redução de subsídios dos agentes políticos do município. De acordo com o vereador, que espera uma atitude da Mesa Diretora quanto à proposta de redução de subsídios para prefeito e vice-prefeito, o exemplo deve partir do próprio Legislativo diante da necessidade de economia de recursos públicos.

Na noite desta segunda, o vice-presidente da Casa, que já tinha o apoio oficial e público do presidente Marcelo Antonio Lollato (PMDB), recebeu apoio de outros dois vereadores. Luiz Marcelino dos Santos Pallone (PSB) foi à tribuna e declarou voto favorável ao projeto e parabenizou a atitude de Gomes. Já o ex-presidente Dimas Tadeu Lima (PT), que havia dito estar empenhado no projeto há alguns meses, esperou o fim da sessão para reafirmar sua posição favorável à matéria.

Durante o intervalo da sessão, Dimas buscou a assessoria do Legislativo e pediu que se agendasse uma visita ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. De acordo com o parlamentar, estuda-se a possibilidade de aplicar a redução dos subsídios para vereadores, vice-prefeito e prefeito já a partir de 2016, pois há a necessidade de corte de gastos imediatamente diante da crise financeira que assola o país e consequentemente afeta as receitas dos municípios, principalmente pequenos.

Em tribuna, no Tema Livre, Manoelito se mostrou indignado com a falta de abordagem do assunto na Câmara e voltou a falar sobre a necessidade de se “reinventar a política”. “Quando eu falo aqui no Tema Livre, e falo faz tempo, que a gente tem que reinventar a política, inovar a política, é começando da gente, eu não estou fazendo isso para me promover, não”, afirmou o parlamentar, que disse não estar na política para ficar rico e declarou: “eu estou mais pobre”.

Ao presidente da Mesa, Gomes sugeriu uma reforma no Regimento Interno que, para ele, é “arcaico”, e propôs que o chefe do Legislativo e os demais componentes da Mesa que assumam o projeto. “Eu vou pedir aqui encarecidamente, senhor presidente e senhores secretários, não percam essa oportunidade de renovar a política, de refazer a política, deem essa opção à população, coloquem o projeto para reduzir também os salários do prefeito e do vice”, afirmou em tribuna.

Lida em plenário na sessão do último dia 3 de novembro, a matéria prevê a redução de subsídios dos vereadores, de R$ 2.148 para R$ 1,2 mil, do presidente da Casa e do vice-prefeito, de R$ 3.278 para R$ 1,5 mil, e do prefeito, de R$ 9.078 para R$ 5 mil. Após a leitura, a assessoria da Câmara assinalou que o vereador não poderia apresentar a matéria sobre alteração de salários e subsídios, pois seria competência exclusiva da Mesa Diretora. O projeto deve passar por adequações.

Reação – Segundo o vereador Manoelito Gomes, que afirmou ter consciência dos valores baixos de subsídios em Ribeirão Bonito, diante dos valores pagos em todo o Estado, ele deve apresentar outros dois projetos à Casa caso seu projeto não seja aprovado. Uma das propostas, segundo ele, prevê a ampliação de duas para quatro sessões legislativas por mês. Outra proposta seria a obrigatoriedade de os vereadores permanecerem em expediente público duas vezes na semana.

Nenhum comentário: