quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Após rejeição da redução de subsídios, Manezinho deve propor que vereadores trabalhem mais

Vice-presidente da Câmara afirmou ter outras duas propostas prontas 

Marcel Rofeal, de Ribeirão Bonito 

Foto: Marcel Rofeal/BMR
Após ter o projeto de sua autoria, sobre a redução de subsídios dos agentes do Legislativo, rejeitado por maioria dos vereadores de Ribeirão Bonito, o vice-presidente da Câmara, Manoelito da Silva Gomês (DEM), já sinalizou que deve apresentar outros projetos para que os parlamentares “façam jus” ao que recebem mensalmente, pouco mais de R$ 2,1 mil. Uma das propostas do parlamentar é que a Casa passe a se reunir por ao menos quatro vezes no mês.

Em tribuna, durante a sessão do dia 16 de novembro, Gomes já havia anunciado que, caso o projeto de redução dos subsídios não fosse aprovado, proporia novas matérias para aumentar as atividades dos parlamentares. Uma das propostas, segundo ele, é que a Câmara passe a se reunir em caráter ordinário de duas para quatro vezes no mês. O vereador ainda sugere que os parlamentares passem a dar expediente na Casa por até seis horas para o atendimento à população.

“Já tenho outro projeto prontinho que é em vez de ter duas sessões por mês, que eu acho muito pouco, ter quatro sessões por mês”, comentou em tribuna. “E já que o salário de R$ 2.148 é um salário confortável para uma cidade como Ribeirão Bonito, que venha aqui por obrigação, no mínimo dois dias por semana, úteis em horário de expediente, dar expediente para a população aqui”, disse sobre a segunda proposta. O parlamentar deve encaminhar a sugestão à Mesa.

Uma vez que a proposta de redução dos subsídios foi rejeitada, Gomes disse que deixaria a Casa de “alma lavada”, pois o projeto teria sido um compromisso de campanha. “Foi meu propósito de legislatura, desde o primeiro dia que eu entrei. Eu não concordava com o aumento de salário e eu estava lá embaixo, não fiquei batendo panela e falei ‘vou ser candidato e tentar reverter isso’, mas se os nobres colegas não concordam com isso, eu fiz a minha parte”, declarou o parlamentar.

Votação – Manoelito Gomes recebeu o apoio de apenas dois colegas, o presidente Marcelo Antonio Lollato (PMDB) e Luiz Marcelino dos Santos Pallone (PSB). Outros seis parlamentares votaram contra a redução dos subsídios: Dimas Tadeu Lima (PT), que havia declarado apoio e incentivo à proposta de redução; José Sebastião Baldan (PMDB); Joseilton de Jesus (PSDB); Pedro Maia Almeida (PSDB); Regivaldo Rodrigues da Silva (PSDB); e Renata Mesquita Magalhães (PSD).

Nenhum comentário: