quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Eleições 2016 | Rádio comunitária se recusa a transmitir debate entre candidatos e pode ter concessão questionada

Na Câmara, parlamentares criticaram a decisão da diretoria da entidade. Vereador chegou a sugerir o fechamento da emissora 

Marcel Rofeal, de Ribeirão Bonito 

Fotos: Marcel Rofeal/Arquivo
Considerada “antidemocrática”, a atitude da Rádio Bom Jesus FM, que recusou pedido para transmitir um debate entre candidatos a prefeito de Ribeirão Bonito, repercutiu na noite de segunda-feira (15) na Câmara. O assunto foi levado à Casa por Renata Mesquita Magalhães, que disse estar surpresa, e foi criticado por outros quatro parlamentares. Para cinco vereadores, o Legislativo deve tomar providências e questionar a concessão pública da emissora, que é comunitária.

Defensora do debate, Renata teve acesso ao pedido e à resposta da rádio, disse que “o que mais me admira é o caso de não ceder o espaço” e afirmou que a população almeja pelo debate. “Eu gostaria de ver com os colegas se a gente pode fazer alguma coisa, mesmo porque a população já se entristeceu quando a rádio deixou de fazer a transmissão da sessão de Câmara”, completou. Já Dimas Tadeu Lima foi mais incisivo e sugeriu o fechamento da emissora ao cobrar providências.

O ex-presidente da Casa questionou aos pares “uma rádio comunitária não vai prestar serviço ao povo, para ouvir candidatos e as propostas, e ninguém vai fazer nada nessa Câmara”, mas completou “então fecha, não presta para nada aquilo lá”. “Me desculpe, mas será que o padre está sabendo disso? Porque na hora de falar coisa na Igreja ele sabe falar”, criticou. Outros dois vereadores criticaram a decisão, entre eles o radialista José Sebastião Baldan, licenciado da rádio.

Último na tribuna, o presidente da Câmara voltou a explicar os motivos pelos quais suspendeu o repasse de recursos à BJ FM e disse que é costume “levar política para o lado pessoal”. Marcelo Antonio Lollato negou retaliação ou ter agido por cunho religioso, mas que ficou triste ao ter que cumprir uma orientação do Tribunal de Contas. O chefe do Legislativo ainda repudiou a “atitude antidemocrática de um veículo de comunicação que tem concessão comunitária e não comercial”.

“Faço coro a essa atitude da rádio, até como jornalista e democrático que sou, e surpreso que estou de ver uma rádio, em pleno país democrático no exercício do seu direito, negar voz e vez a políticos que são, na mesma rádio, volta e meia, apedrejados”, destacou. Lollato também repudiou uma emissora comercial sediada no município, mas com estúdios em São Carlos, e sinalizou “essas duas emissoras, para renovarem suas concessões, terão que passar pelo crivo dessa Casa”.

Ao finalizar o assunto, o parlamentar criticou o que chamou de “coronelismo nojento” em Ribeirão Bonito e disse que a população está cansada “da mesmice” e “das gambiarras”. “Porque aqui, aquilo que é público, parece que tem gente que se elege dono. Ribeirão Bonito é assim: ‘ah, aquilo ali é público, mas tem dono, aquilo é da Prefeitura, mas fulano tem que sentar lá para comandar’. Tem uns saruês fedorentos em Ribeirão Bonito que estão na hora de pendurar as chuteiras”, finalizou.

Um comentário:

Cesar Gavioli disse...

Estranho!Meticuloso!Covarde! Estas palavras podem não fazer muito sentido ao lê-las, simplesmente. Dentre os vários significados existentes prefiro ficar, nesse caso, prefiro patentear apresentando uma formula, para fica mais elucidativa para aqueles que tem "olhos de ver", como dizia O "Príncipe da Paz", na antiga Galileia. O leitor pode estar pensando em vários motivos para que o debate não ocorresse, contudo, se me permitissem aconselhar, diria eu: O que faremos nós, o povo, quando algo tão castrador ocorre em nosso município? Estamos cientes das aberrações sócio/politicas que estão ocorrendo embaixo dos nossos narizes? Como Mudar isso?
Enfim, relembrando Albert Einstein quanto retratou a equivalência entre matéria e energia, me propus a plagiá-lo: E=mc2 *

*Legenda (E= estranho M=meticuloso C=covarde)