quinta-feira, 2 de março de 2017

Homenagens marcam desfiles de encerramento do Carnaval

Vítimas de acidentes na SP-215 foram retratadas em alegorias na terça 

Marcel Rofeal, de Ribeirão Bonito 

Fotos: Marcel Rofeal/BMR
Sob o tema “Esplendor, encanto e magia”, o Carnaval 2017 de Ribeirão Bonito chegou ao fim na noite desta terça-feira (28) com uma homenagem a todos os moradores que perderam a vida em acidentes na Rodovia Luiz Augusto de Oliveira, a SP-215, que passa pelo município. Uma multidão tomou as ruas centrais da cidade para a última noite de desfiles. Um dos blocos mais tradicionais da cidade deixou de desfilar em homenagem a um dos integrantes, morto na terça.

Fogos sinalizaram o início do desfile por volta das 21h. O trajeto sofreu alteração em respeito ao velório de Jefferson Correa Morais, integrante do bloco Lacraias, que foi encontrado morto na manhã de terça-feira (28). Em decorrência do falecimento do rapaz, aos 31 anos, o grupo deixou de ir para a avenida. Em respeito aos familiares e amigos, a Escola de Samba “Unidos de Ribeirão Bonito” decidiu iniciar o desfile no Centro Social Comunitário, e não mais no Cristo Redentor.

O corso seguiu pela Rua São Paulo e surpreendeu os espectadores em sua segunda noite. À frente do desfile, o Rei Momo animava os foliões. Já na comissão de frente, a bandeira com o retrato dos quatro jovens mortos no acidente do dia 8 de agosto de 2015 emocionou moradores junto ao voluntário que estava caracterizado em alusão ao músico Richard Luiz Artali, o Gugu, também morto em um acidente na noite do dia 24 de setembro de 2014, aos 29 anos de idade.

Na sequência, se apresentaram a ala das crianças, passistas e a bateria da agremiação, acompanhada por centenas de foliões em blocos populares. Entre os destaques da exibição, “Os Mímicos” divertiram os espectadores ao longo do percurso pelo quarto ano consecutivo. Outros blocos estrearam no corso, como a Turma da Bagunça, o “Super Eu Malvinas” e “As Catrinas”. O desfile durou aproximadamente uma hora e foi concluído com uma cerimônia de premiação.

Diante da Igreja Matriz, o samba-enredo foi cantado pelo autor Elvandes Luiz Américo de Souza, mais conhecido por Pelego, junto à bateria da Escola de Samba, tendo à frente o mestre Antonio Carlos Manieri Junior, popular Dentão. Os ritmistas uniformizados traziam no peito a imagem do homenageado Richard Artali. Ao lado de familiares, a mãe do músico acompanhou a apresentação e se emocionou. Ana Artali também foi convidada a subir ao palco e recebeu uma medalha.

Para o carnavalesco Elvandes Luiz, a proposta do Carnaval Popular e Voluntário de Ribeirão Bonito era fazer memória a todas as vítimas de acidentes na Rodovia SP-215 no município e alertar sobre os riscos de novas tragédias. Segundo ele, a ideia de levar à avenida a imagem dos quatro jovens e um intérprete do próprio Gugu simbolizaria uma despedida. “Eles morreram de forma inesperada e não tiveram tempo para se despedir das famílias e dos amigos”, explicou.

Foram quatro noites de festa em Ribeirão Bonito. Aberto na tarde de sexta-feira (24), o Carnaval 2017 resgatou a simbologia da entrega da chave da cidade das mãos do prefeito Francisco José Campaner (PSDB) ao Rei Momo. Na noite de sexta, o Rancheiros Folia 2017 atraiu cerca de 500 pessoas. Já no sábado (25), não houve programação oficial na cidade. No domingo (26) à noite, uma multidão tomou conta da avenida para a primeira noite de desfiles no Centro da cidade.

A folia lotou o distrito de Guarapiranga, a 12 quilômetros de Ribeirão Bonito, na noite de segunda-feira (27). Uma multidão prestigiou a apresentação inédita da Escola de Samba “Unidos de Ribeirão Bonito” e de blocos na localidade. A festa oficial terminou pontualmente à meia-noite, mas foliões continuaram no largo central do distrito por mais algumas horas. No meio da madrugada, atos de vandalismo foram registrados e houve depredação em patrimônios público e privados. 

Em Ribeirão Bonito, as tardes de domingo a terça-feira foram animadas pelos blocos. Concentrados na Praça Nove de Julho, eles precisaram se deslocar até o Recinto de Exposições “José Piccolo” depois que moradores incomodados com a música alta acionaram a polícia. Segundo a Polícia Militar, durante os dias de Carnaval de Rua, não houve incidentes graves registrados na cidade, mas não há balanço oficial de ocorrências. O Departamento de Saúde também não divulgou dados.

Nenhum comentário: