segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Estudantes e funcionários cobram repasses da Prefeitura

Município suspendeu os pagamentos de auxílios por falta de recursos 

Marcel Rofeal, da Redação 

Foto: Divulgação/Sismar
Estudantes de Ribeirão Bonito e servidores públicos estão indignados com o atraso na liberação de recursos por parte da Prefeitura Municipal para o pagamento de auxílios. Segundo os estudantes, o Município voltou a suspender o reembolso pago aos alunos de Ensino Superior para que cursem em unidades de outras cidades da região. Já os funcionários públicos se queixam que o Executivo ainda não pagou o tíquete de alimentação e acionou o sindicato da categoria.

De acordo com a Prefeitura de Ribeirão Bonito, o Governo Federal cortou os repasses de recursos, o que teria desencadeado uma grave dificuldade financeira já há alguns meses. À reportagem do BMR há cerca de três meses, a assessoria do Executivo confirmou que a situação financeira é crítica e chegou a afirmar que repasses a entidades do município, entre elas a própria Santa Casa de Misericórdia, poderiam ser suspensos pela falta de recursos devido à queda na arrecadação.

Ainda em setembro, um grupo de universitários acionou o BMR em busca de informações sobre a suspensão dos pagamentos para o reembolso dos estudantes com o transporte. A reportagem foi publicada na manhã do dia 21 de setembro e a Prefeitura de Ribeirão Bonito anunciou, na tarde do dia seguinte, a liberação de 11,5 mil reais para o benefício. Em nota, a Prefeitura negou a informação dos estudantes de que teria atrasado o pagamento do auxílio por dois meses.

Já o atraso no pagamento do auxílio alimentação aos servidores públicos pode prejudicar as festas de fim de ano de centenas de funcionários. Preocupada, a categoria acionou o sindicato dos servidores que ameaça acionar o Ministério Público do Trabalho e o Ministério do Trabalho caso o benefício não seja pago até o dia 31 de dezembro. Em nota, o sindicato declarou que esteve com o prefeito Wilson Forte Júnior (PMDB) e que o mesmo afirmou tratar o assunto como prioridade.

Nenhum comentário: