quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Estiagem agrava falta de água a moradores das Malvinas

Uso irresponsável é considerado uma das maiores causas do problema 

Marcel Rofeal, da Redação 

Foto: Reprodução
Moradores dos bairros Jardim Heliana I e II e do conjunto de bairros denominado Malvinas, em Ribeirão Bonito, enfrentam, desde o fim de semana, transtornos devido à falta de água. O problema, que não é uma novidade naquela região, tem se agravado devido à estiagem, mas parte da população ainda não compreende que o uso responsável da água pode ajudar e até evitar problemas no armazenamento. O desperdício tem sido flagrado constantemente pelas ruas.

No Conjunto Habitacional Victor Arnaldo Torrezan, popularmente conhecido por Malvinas II, donas de casa foram vistas lavando as calçadas e parte da rua. O bairro está localizado em uma área mais baixa, onde o fornecimento de água é até mais normalizado, mas enquanto isso ocorre, o abastecimento dos reservatórios que ficam na região mais alta, onde estão o Jardim Heliana II e o Conjunto Habitacional Emygdio Lucato, é prejudicado e as caixas d’água acabam esvaziando.

A falta de água na região se agravou após a instalação de um novo loteamento no Jardim Heliana I, um bairro que também fica na parte mais baixa daquela área. Enquanto o abastecimento aos moradores que residem ali é feito normalmente, o fornecimento para quem vive mais para cima, no Heliana II, vai diminuindo. Quando os reservatórios voltam a ser preenchidos, as primeiras casas a serem abastecidas são as localizadas nas áreas baixas, o que atrasa a normalização.

Para a Prefeitura de Ribeirão Bonito, o problema é uma prioridade da administração. O próprio prefeito Francisco José Campaner (PSDB) já anunciou que profissionais voluntários da equipe da Universidade de São Paulo (USP) estão empenhados em estudos que visam à solução imediata à falta de água. Ele ainda afirmou que o Município tem reservado recursos para promover obras de emergência que devem sanar a médio prazo esse problema que afeta grande parte da população.

Nenhum comentário: